BENVINDO

Minha foto

 Sou servo do Senhor desde 2001,sirvo a Deus na Igreja do Evangelho Quadrangular,  obreiro formado no Instituto Teológico Quadrangular, professor da Escola Bíblica,  casado com Elisângela a 25 anos , pai de 2 filhos maravilhosos,  buscando cada dia conhecer mais ao Senhor. Meu maior desejo é ser " uma bênção" e abençoar àqueles que estão perto e através da web os que estão longe.  Que as bênçãos do Senhor seja transbordante sobre a sua vida, sobre sua casa , sobre sua família, sobre o seu ministério, querido(a) e amado(a) irmão(ã) em Cristo Jesus. 

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Esboço de Sermão

Esboço de Sermão


Lidando com a tentação

Posted: 29 Sep 2016 05:16 AM PDT

Lidando com a tentação
Texto: Lucas 4:1-13

Introdução

A. Gostamos ou não, queremos ou não, a tentação é algo que todos nós enfrentamos (1 Coríntios 10:13).
B. Ainda que todos nós estamos propícios a cair em tentação, as Escrituras ensinam que não devemos temer (Tiago 1:2-4; 2 Pedro 2:9).

Como devemos lidar com a tentação?

I. Corra sempre que tiver a oportunidade de fazê-lo.

A. A Bíblia nos ordena a fugir da prostituição (1 Coríntios 6:18), da idolatria (1 Coríntios 10:14) e das paixões da mocidade (2 Timóteo 2:22).
B. Devemos fugir de qualquer espécie de mal (1 Coríntios 10:14-28; 1 Tessalonicenses 5:21-22).
C. Devemos fugir dos falsos mestres (João 10:1-5).

II. Ore sem cessar.

A. Esta é uma das coisas que ajudou Jesus a vencer a tentação (Mateus 4:2; Lucas 4:2; 22:39-46).
B. Jesus disse aos Seus discípulos que orassem quando enfrentassem tentação (Mateus 6:13; Marcos 14:38).
C. Para vencer a tentação, a oração pode ser una ferramenta valiosa (Atos 4:23-31).

III. Estude a Palavra de Deus diligentemente

A. Quando foi tentado, Jesus dependeu grandemente da Escritura (Mateus 19:3-6).
B. O estudo cuidadoso da Escritura nos ajudará a vencer a tentação (Salmos 119:11; Mateus 12:34-37).

Conclusão

A. Ainda que não seja uma parte agradável da vida, a tentação não é algo que devemos temer, uma vez que nosso Salvador pode e está disposto a nos ajudar a vencer a tentação.
B. Se permanecermos no Senhor, podemos apagar todos os dardos inflamados que o maligno lança em direção a nós. Efésios 6:16

Não é um Deus de confusão

Posted: 29 Sep 2016 05:11 AM PDT

Não é um Deus de confusão
Texto: 1 Coríntios 14:33

Introdução: "Deus não é Deus de confusão" (1 Coríntios 14:33). Portanto, a confusão é um sinal de que as pessoas não estão seguindo o caminho de Deus. Com isso em mente, vamos considerar a reação de alguns no livro de Atos a pregação do evangelho. Três lugares estavam em "confusão" - Filipos (Atos 16), Éfeso (Atos 19), e Jerusalém (Atos 21). A forma como as pessoas reagiram ao evangelho é o oposto de como Deus quer que seu povo seja.

1. Confusão no Livro de Atos

A. Acusações falsas - em Filipos, Paulo expulsou um espírito de uma escrava (Atos 16:16, 19-21); a falsa acusação levou a uma confusão (Atos 16:22-24); Paulo e Silas foram acusados ​​de serem judeus, promovendo coisas ilegais para os romanos (Atos 16:20-21); esta acusação era falsa (Atos 16:37)
B. Gritando coisas diferentes - em Éfeso, Demétrio despertou uma multidão contra Paulo (Atos 19:23-29); neste estado de confusão, as pessoas estavam gritando coisas diferentes (Atos 19:32); elas não estavam unidas em sua mensagem
C. Motivo desconhecido para se reunirem - em Éfeso, Demétrio inicialmente falou aos oficiais de obras semelhantes (Atos 19:25); ainda toda a cidade correu para o teatro (Atos 19:29); a maioria não sabia por que eles estavam lá (Atos 19:32)
D. Deturpar o evangelho - em Jerusalém, os judeus da Ásia se opuseram a Paulo (Atos 21:27); eles o acusaram de pregar em todos os lugares contra os judeus, a lei, e o templo (Atos 21:28); nada disso era verdade (Romanos 9:3-4; 10:1; 7:12)
E. Tirar conclusões precipitadas - em Jerusalém, os judeus da Ásia acusaram Paulo de profanar o templo (Atos 21:28); eles viram Trófimo e presumiram que Paulo o levou ao templo (Atos 21:29); isso não era verdade (Atos 21:23-24)
F. Violência - em Jerusalém, a corte romana respondeu à confusão que irrompeu (Atos 21: 30-32); quando os soldados chegaram, a multidão "cessaram de espancar a Paulo" (Atos 21:32); eles tinham se tornado violentos (Atos 21:31)

2. Seguir a Deus é o caminho oposto

A. Deus não é um Deus de confusão (1 Coríntios 14:33) - todas as características discutidas anteriormente são contrárias ao que devemos ser como cristãos
B. Devemos descordar com honra (2 Timóteo 2:24-25) - haverá discordâncias; mas temos de falar a verdade em amor (Efésios 4:15); falar com graça (Colossenses 4:5-6)
C. Devemos falar a mesma coisa (1 Coríntios 1:10) - isto resulta em unidade (Efésios 4:3-6); inclusive de uma igreja para outra (1 Coríntios 4:17); o evangelho é o mesmo para todos (Marcos 16:15)
D. Devemos entender o propósito pelo qual fazemos (Colossenses 3:17) - fazemos o que fazemos porque é a vontade de Deus (Mateus 7:21-23); não por causa de tradição, da preferência, pregador, denominação, etc.; devemos obedecer a palavra de Cristo (Mateus 28:20)
E. Devemos falar a verdade com precisão (1 Pedro 4:11) - "À lei e ao testemunho" (Isaías 8:20); não podemos mudar a mensagem sem consequências (Gálatas 1:6-9)
F. Não devemos apressar o julgamento (Provérbios 18:17) - princípio de examinar tudo com cuidado (1 Tessalonicenses 5:21-22); devemos ser prontos para ouvir e tardios para falar (Tiago 1:19); saber a verdade antes de julgar / agir
G. Devemos buscar a paz (Hebreus 12:14) - isto permite-nos edificar um ao outro (Romanos 14:19); podemos ter que se opor ao erro (Gálatas 2:11); mas devemos fazê-lo com o ensino, não com violência física (2 Coríntios 10:3-5)

Conclusão

A. "Deus não é Deus de confusão, mas de paz" (1 Coríntios 14:33)
B. A confusão surge quando os homens se recusam a submeter-se a vontade de Deus
C. Se quisermos ter paz com Deus, devemos crer em Sua Palavra e obedecê-la

Nenhum comentário:

Postar um comentário