BENVINDO

Minha foto

 Sou servo do Senhor desde 2001,sirvo a Deus na Igreja do Evangelho Quadrangular,  obreiro formado no Instituto Teológico Quadrangular, professor da Escola Bíblica,  casado com Elisângela a 25 anos , pai de 2 filhos maravilhosos,  buscando cada dia conhecer mais ao Senhor. Meu maior desejo é ser " uma bênção" e abençoar àqueles que estão perto e através da web os que estão longe.  Que as bênçãos do Senhor seja transbordante sobre a sua vida, sobre sua casa , sobre sua família, sobre o seu ministério, querido(a) e amado(a) irmão(ã) em Cristo Jesus. 

sexta-feira, 24 de março de 2017

Esboço de Sermão

Esboço de Sermão


Cinco coisas pelas quais não devemos orar

Posted: 23 Mar 2017 05:11 AM PDT

Cinco coisas pelas quais não devemos orar
Texto: Lucas 11:1

Introdução: Em uma ocasião, os discípulos de Jesus disseram: "Senhor, ensina-nos a orar" (Lucas 11:1). É importante que saibamos orar como deveríamos. No entanto, quando pensamos em aprender a orar, geralmente pensamos em termos de orar por certas coisas. No entanto, há também algumas coisas pelas quais não devemos orar.

Portanto, neste sermão, vamos considerar cinco coisas pelas quais não devemos orar.

1. Por qualquer coisa que seja contrária à vontade de Deus

Quando oramos, devemos orar de acordo com a vontade de Deus. João escreveu: "Esta é a confiança que temos diante dEle, que, se pedimos alguma coisa segundo a Sua vontade, Ele nos ouve" (1 João 5:14). Jesus nos deu um exemplo quando Ele orou no Jardim antes de Sua crucificação: "Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres" (Mateus 26:39).

É claro que certamente podemos orar e fazer nossos pedidos conhecidos a Ele (Filipenses 4:6). No entanto, orar por algo não significa que Deus responderá da maneira que queremos que Ele responda. Paulo orou para que o seu "espinho na carne" pudesse ser removido, mas o Senhor em vez disso lhe disse que Sua "graça era suficiente" (2 Coríntios 12: 7-9). Quando oramos por qualquer coisa, incluindo nossos pedidos a Ele, devemos sempre orar para que Sua vontade seja feita (Mateus 6:10).

Existe uma maneira de conhecer a Sua vontade? Sim, pelo menos tanto quanto Ele nos revelou em Sua Palavra. É através das Escrituras inspiradas pelo Espírito que podemos conhecer Sua vontade (1 Coríntios 2:10-12). Portanto, devemos orar por coisas que estão em harmonia com a Sua palavra (Mateus 6:11-13; 1 Timóteo 2:2).

Pode haver algumas coisas que estão além do que foi revelado. Moisés explicou: "As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, mas as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que observemos todas as palavras desta lei" (Deuteronômio 29:29). Quanto à vontade de Deus, sabemos apenas o que Ele escolheu revelar-nos. Algumas coisas podem estar além do que foi revelado, mas não estão em conflito com a Sua palavra. Por exemplo, podemos orar por alguém que está doente e essa pessoa pode ou não se recuperar de sua doença. Nesse caso, devemos orar (Filipenses 4:6) e fazê-lo com fé para que a vontade de Deus seja feita (Mateus 6:10).

Algumas coisas estão em conflito direto com a palavra de Deus (ou seja, uma oração para ganhar na loteria ou a oração de um cônjuge infiel para encontrar um novo companheiro). Nestes casos, não devemos orar por tais coisas. Quando Deus revelou a Jeremias que Judá seria punido, Ele disse: "Não ore pelo bem deste povo" (Jeremias 14:11) porque essa oração estaria em conflito com o que Deus revelou. Da mesma forma, não devemos orar pelo que é contrário à vontade de Deus que Ele nos revelou em Sua Palavra.

2. Pelo o que está enraizado em nossos desejos pecaminosos

Tiago falou daqueles que oravam com motivos impróprios: "Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites" (Tiago 4:3). Em suas orações eles "pediam mal", pedindo o que estava enraizado na luxúria. Estas eram os tipos de concupiscências que os levaram ao pecado (Tiago 1:14-15). Eles foram escravizados a esses pecados (Romanos 6:12-13, 16) e assim eles oraram para o que iria satisfazer esses desejos ilícitos.

Já observamos o fato de que devemos orar para que a vontade de Deus seja feita (Mateus 6:10). Essas orações que Tiago mencionou não tinham nenhuma preocupação com a vontade de Deus - somente a vontade do que proferia a oração. Como cristãos, devemos aprender a conformar nossa vontade à vontade de Deus. Paulo disse que devemos "levar cativo todo pensamento à obediência a Cristo" (2 Coríntios 10:5). Isso inclui nossos próprios pensamentos. Devemos ter a atitude de Paulo e estar "contentes" com a vontade do Senhor em relação aos assuntos de nossas orações (2 Coríntios 12:10).

Muitas vezes oramos por algo que nos beneficia - alimento (Mateus 6:11), paz (1 Timóteo 2:2), etc. Mas estas não são as orações egoístas contra as quais Tiago falou (Tiago 4:3). Em vez disso, sabemos que essas orações estão em harmonia com a vontade de Deus, porque nos foi dito para orar por tais coisas. Mas se algo está enraizado em nossos desejos pecaminosos, não é algo pelo qual devemos orar.

3. Pelo que não cremos que Deus tem poder para fazer

Tiago também discutiu a importância de pedir com fé, sem duvidar: "Peça-a, porém, com fé, não duvidando; pois aquele que duvida é semelhante à onda do mar, que é sublevada e agitada pelo vento. Não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa, homem vacilante que é, e inconstante em todos os seus caminhos" (Tiago 1:6-8). No contexto, Tiago estava falando sobre orar por sabedoria (Tiago 1:5). Deus prometeu nos dar sabedoria, mas como? Ela não nos dá milagrosamente, mas através de Sua palavra. Nós adquirimos sabedoria aprendendo as Escrituras (2 Timóteo 3:15) porque "a sabedoria de Deus" foi revelada "pelo Espírito" aos apóstolos e outros homens inspirados (1 Coríntios 2:6-13, 2 Timóteo 3:16 17). Certamente devemos orar por sabedoria, mas precisamos adquirir conhecimento da palavra de Deus para obtê-la.

Orar "com fé" não significa que Deus fará qualquer coisa enquanto acreditarmos que Ele pode fazê-lo. Ele somente responderá de acordo com Sua vontade (1 João 5:14-15). No entanto, devemos orar com o reconhecimento do grande poder de Deus. Paulo escreveu que Deus é "capaz de fazer muito mais abundantemente além de tudo o que pedimos ou pensamos" (Efésios 3:20). Se não cremos que Deus tem o poder de fazer alguma coisa, é inútil orar por tal coisa. Além disso, é uma indicação de que precisamos trabalhar para fortalecer nossa fé.

4. Para que Deus faça o que Ele nos ordenou fazer

Jesus ensinou Seus discípulos a orarem pelo "pão de cada dia" (Mateus 6:11). No entanto, isso não significa que eles poderiam ser preguiçosos e recusar-se a trabalhar e, em seguida, esperar que Deus providenciasse milagrosamente para eles. Aqueles que são capazes de trabalhar devem estar dispostos a fazê-lo. Paulo escreveu: "Porque, quando ainda estávamos convosco, isto vos mandamos: se alguém não quer trabalhar, também não coma" (2 Tessalonicenses 3:10). Deus espera que Seu povo seja trabalhador, assim como o sábio escreveu: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças" (Eclesiastes 9:10).

Devemos fazer o que podemos fazer e orar para que Deus providencie o que está além da nossa possibilidade. Observe o que Paulo disse sobre a providência de Deus: "Contudo não deixou de dar testemunho de si mesmo, fazendo o bem, dando-vos chuvas do céu e estações frutíferas, enchendo-vos de mantimento, e de alegria os vossos corações" (Atos 14:17). Não podemos controlar o tempo e as estações. Deus colocou em movimento leis naturais que tornam possível para a vida sobreviver perpetuamente neste planeta. Oramos para que Deus providencie, mas devemos trabalhar como somos capazes de fazer para desfrutar de Suas bênçãos. A oração não é um substituto da responsabilidade pessoal.

5. Para Salvação sem a obediência

É comum as pessoas orarem a "oração do pecador" para serem salvas. Aqueles que fazem isso mal entendem o que significa "invocar o nome do Senhor" (Romanos 10:13). As Escrituras explicam o que isso significa: "Levanta-te, batiza-te e lava os teus pecados, invocando o seu nome" (Atos 22:16). Invocamos o nome do Senhor quando somos batizados em Cristo.

Pode-se orar fervorosamente e ser sincero e ainda não ser um cristão. Paulo é um exemplo disto. Ele estava "orando" em Damasco depois que o Senhor lhe apareceu (Atos 9:11), mas ele ainda tinha que ouvir para "ser batizado" e "lavar os seus pecados" (Atos 22:16). Cornélio é outro exemplo. Ele era "um homem devoto" que "orava a Deus continuamente" (Atos 10: 2), mas quando Pedro pregou a ele e à sua família, "ordenou que fossem batizados" (Atos 10:48).

Salvos são aqueles que obedecem ao Senhor. Pedro escreveu: "que também agora, por uma verdadeira figura-o batismo, vos salva, o qual não é o despojamento da imundícia da carne, mas a indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo" (1 Pedro 3:21). Invocamos a Deus para purificar nossa consciência e lavar nossos pecados quando nos submetemos à Sua vontade no batismo. O escritor hebreu disse que Jesus é "o autor de eterna salvação para todos os que lhe obedecem" (Hebreus 5:9).

Certamente podemos orar para que as pessoas sejam salvas. Paulo fez isso pelos seus irmãos judeus: "Irmãos, o bom desejo do meu coração e a minha súplica a Deus por Israel é para sua salvação" (Romanos 10:1). Mas aqueles pelos quais Paulo orou ainda precisavam obedecer ao Senhor (Romanos 10:3). Podemos e devemos ensinar aos outros (Atos 8:4) e orar para que sejam receptivos à verdade, mas eles devem escolher obedecer. Infelizmente, nem todos (Romanos 10:16). De fato, a maioria não o fará (Mateus 7:13-14).

Conclusão

A oração é um grande privilégio que temos como povo de Deus. No entanto, devemos aprender a orar como devemos e evitar orar pelo que não devemos. Na oração - assim como devemos fazer em cada parte de nossas vidas - devemos aprender a conformar nossa vontade à vontade de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário