BENVINDO

Minha foto

 Sou servo do Senhor desde 2001,sirvo a Deus na Igreja do Evangelho Quadrangular,  obreiro formado no Instituto Teológico Quadrangular, professor da Escola Bíblica,  casado com Elisângela a 25 anos , pai de 2 filhos maravilhosos,  buscando cada dia conhecer mais ao Senhor. Meu maior desejo é ser " uma bênção" e abençoar àqueles que estão perto e através da web os que estão longe.  Que as bênçãos do Senhor seja transbordante sobre a sua vida, sobre sua casa , sobre sua família, sobre o seu ministério, querido(a) e amado(a) irmão(ã) em Cristo Jesus. 

sexta-feira, 22 de abril de 2016

KAIROS Ministério Missionário

KAIROS Ministério Missionário


CRISTIANISMO BÍBLICO SEGUNDO JOHN WESLEY

Posted: 22 Apr 2016 01:00 AM PDT

Suponha-se que um dos que ouviram o Apóstolo Pedro pregar o arrependimento e a remissão de pecados tenha sido tocado no coração, convencendo-se de pecado, arrependendo-se e crendo, afinal, em Jesus. Mediante essa fé infundida por Deus, que constitui a verdadeira substância das coisas que se esperam, a evidência das coisas invisíveis, (Hb. 11.1), na mesma hora recebe o Espírito Santo, pelo qual ele clama: "Abba, Pai!"(Rm 8.15). Pela primeira vez dá a Jesus, pelo Espírito Santo, o nome de Senhor (1 Co.12.3), o próprio Espírito testificando com seu espírito ser ele filho de Deus (Rm. 8. 16).

Agora pode o crente verdadeiramente dizer: "Não vivo eu, mas Cristo é quem vive em mim; e a vida que eu agora vivo na carne, vivo-a pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim" (Gal. 2: 20).

Esta é, pois, a verdadeira essência de sua fé, a divina evidência ou convicção do amor de Deus o Pai, através do Filho de seu amor, comunicada ao ímpio, agora aceito no Bem-Amado. E, "sendo justificado pela fé, tem paz com Deus" (Rm. 5: 1); sim, tem "a paz de Deus reinando em seu coração"; tem uma paz que, excedendo a toda compreensão, guarda seu coração e mente de toda dúvida e de todo medo, graças ao conhecimento daquele em que confiou.

Não pode ele temer, portanto, "ser afligido por qualquer notícia má", porque "seu coração permanece firme, crendo no Senhor". Não teme o que lhe possa fazer o homem, sabendo que mesmo seus próprios cabelos estão todos contados. Não teme os poderes das trevas, que o Senhor está cada dia mais decisivamente esmagando sob os pés. Muito menos teme a morte; antes, deseja "Partir e estar com Cristo" (Fl. 1:23), o qual, "através da morte, destruiu o que possuía o poder da morte, isto é, o diabo; e libertou os que, pelo temor da morte, estavam até então, e por toda a vida, sujeitos à escravidão" (Hb. 11: 15).

Deste modo, sua "alma engrandece ao Senhor e seu espírito se alegra em Deus, seu Salvador". Regozija-se com "alegria indizível" naquele que o reconciliou com Deus, o Pai, "em quem ele tem a redenção por seu sangue e o perdão dos pecados". Regozija-se no testemunho do Espírito de Deus com seu próprio espírito, de que é filho de Deus; e mais abundantemente se alegra "na esperança da glória de Deus"; na esperança da gloriosa imagem de Deus e na renovação plena de sua alma em justiça e verdadeira santidade; na esperança daquela coroa de glória, daquela "herança Incorruptível, sem mancha, imarcescível".

"0 amor de Deus foi também derramado em seu coração pelo Espírito Santo que lhe foi dado" (Rm. 5.5). "Porque era filho, Deus derramou em seu coração o Espírito de seu Filho, que clama: Abba, Pai!" (Gl 4.6). E o amor filial de Deus foi-se aumentando continuamente, pelo testemunho que ele possuía em si mesmo, (1 João 5: 10), do amor de Deus que lhe perdoa; pela "consideração da maneira pela qual o amor de Deus lhe havia sido demonstrado, de modo que pudesse ser chamado filho de Deus" (1 João 3.1). Deus era, pois, o desejo de seus olhos e a alegria de seu coração, sua porção mais preciosa no tempo e na eternidade.

Os que assim amam a Deus, não podem deixar de também amar a seus irmãos, "não em Palavras somente, mas em obras e em verdade". "Se Deus, diz ele, assim nos amou, devemos também amar-nos uns aos outros" (1João 4:11); sim, devemos amar indistintamente a toda alma humana, assim como também "a misericórdia de Deus está sobre todas as suas obras" (Sl. 145.9).

De acordo com este princípio, a afeição desse amigo de Deus abraça com todo seu amor a toda a humanidade, nenhuma exceção abrindo para os que jamais tenham visto em carne, ou para os de quem nada sabe, a não ser que são "criaturas de Deus", Pelas quais seu Filho morreu; não excetuando o "mau" e o "ingrato", os maiores inimigos, os que o odeiam, ou perseguem, ou procedem maliciosamente para com ele, por causa de seu Mestre: estes têm um lugar destacado em seu coração e em suas orações. Ama-os "como Cristo nos amou"...

Tal homem, tendo esse amor no coração, não pratica nenhum mal contra o próximo. É-lhe impossível causar dano consciente e deliberadamente a quem quer que seja. Está muito longe da crueldade e do crime, da ação injusta e desumana.

Com igual cuidado "põe guarda diante de sua boca e à porta de seus lábios", para que pela língua não peque contra a justiça, contra a misericórdia e contra a verdade.

Repele toda mentira, falsidade e fraude; em sua boca não há dolo. Não diz nada mal de ninguém, nem de seus lábios sai qualquer palavra injusta...

Não lhe satisfaz o abster-se meramente da prática do mal. Sua alma tem sede de fazer o bem. Assim era o cristão dos dias antigos. (Assim devemos ser nós nos dias de hoje).

Autor: John Wesley

Por Litrazini


Graça e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário