BENVINDO

Minha foto

 Sou servo do Senhor desde 2001,sirvo a Deus na Igreja do Evangelho Quadrangular,  obreiro formado no Instituto Teológico Quadrangular, professor da Escola Bíblica,  casado com Elisângela a 25 anos , pai de 2 filhos maravilhosos,  buscando cada dia conhecer mais ao Senhor. Meu maior desejo é ser " uma bênção" e abençoar àqueles que estão perto e através da web os que estão longe.  Que as bênçãos do Senhor seja transbordante sobre a sua vida, sobre sua casa , sobre sua família, sobre o seu ministério, querido(a) e amado(a) irmão(ã) em Cristo Jesus. 

quarta-feira, 30 de abril de 2014

[Estudos Bíblicos] Muitos Membros e Funções Mas um Só Corpo


[Estudos Bíblicos] Muitos Membros e Funções Mas um Só Corpo

Link to Estudos Bíblicos

Posted: 29 Apr 2014 09:04 AM PDT
Muitos Membros e Funções Mas um Só Corpo" Porque assim como num só corpo temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função, assim também nós, conquanto muitos, somos um […] [continue lendo]

Compartilhe: no Facebook - no Twitter - Comente! - Dúvida? Faça sua pergunta

Deus no seu trabalho


de Max Lucado


O calendário do Céu tem sete domingos por semana. Deus santifica cada
dia. Ele realiza seu santo trabalho em todas as horas e em todos os
lugares. Ele torna o comum em algo incomum, virando pias em
santuários, restaurantes em conventos, e dias de trabalho em
aventuras.

Dias de trabalho? Sim, dias de trabalho. Ele ordenou seu trabalho
como algo bom. Antes que Deus deu a Adão uma esposa ou filho, até
antes que ele o vestiu, Deus deu a Adão um trabalho. "O SENHOR Deus
colocou o homem no jardim do Éden para cuidar dele e cultivá-lo."
Gênesis 2:15 (NVI). Inocência, não indolência caracterizou a primeira
família.

Deus vê o trabalho como merecedor do seu próprio mandamento:
"Trabalhe seis dias, mas descanse no sétimo..." Êxodo 34:21 (NVI).
Nós gostamos da segunda metade daquele versículo. Mas, ênfase no dia
de descanso pode nos levar a perder de vista o mandamento de
trabalhar: "Trabalhe seis dias". Queira você trabalhar em casa ou no
mercado, seu trabalho é importante para Deus.

E seu trabalho é importante para a sociedade. Precisamos de você!
Cidades precisam de encanadores. Nações precisam de soldados.
Semáforos param de funcionar. Ossos quebram. Necessitamos de pessoas
para concertar o primeiro e reparar o segundo. Alguém precisa criar
filhos e cuidar dos filhos que são mal criados.

Seja como for que você começa o dia, quando você trabalha você imita
a Deus. O próprio Senhor trabalhou nos primeiros seis dias da
criação. Jesus disse "Meu Pai continua trabalhando até hoje, e eu
também estou trabalhando". (João 5:17 NVI). Sua carreira consome
metade da sua vida. Ela não devia refletir Deus? Aquelas quarenta a
sessenta horas por semana não pertencem a ele também?

A Bíblia nunca promove a compulsão pelo trabalho ou o emprego
obcecado como alívio para dor. Mas, Deus chama todos que estão em
condições físicas a cultivarem os jardins que ele deu. Deus honra o
trabalho. Então honre a Deus em seu trabalho. "Para o homem não
existe nada melhor do que comer, beber e encontrar prazer em seu
trabalho." (Eclesiastes 2:24 NVI)

- tradução de Dennis Downing do livro de Max Lucado "Cure for the
common life : Living in your sweet spot". Nashville, Tenn.: Thomas
Nelson Publishers.

Visite o endereço oficial de Max Lucado em Português:
www.maxlucado.com.br. ========================

Equilíbrio



"Irmãos, quanto aos dons espirituais, não quero que vocês sejam ignorantes." (1 Coríntios 12:1)

Sempre frequentei academia de ginástica para manter a forma. Em uma dessas ocasiões, o professor me levou em um tour pela academia para mostrar-me as várias máquinas e como elas funcionavam.

Uma coisa que o treinador mencionou, me chamou a atenção de modo especial. Ele explicou que é importante trabalhar cada parte do seu corpo para que você tenha um físico equilibrado. Deixar de fazê-lo, disse ele, provoca desequilíbrio. Uma pessoa precisa de exercício cardiovascular, bem como um treinamento de força.

À medida que o treinador começou a descrever a importância do equilíbrio e como todo o corpo precisava de exercício e de um bom desempenho geral, eu comecei a pensar sobre o corpo de Cristo. Também precisamos do equilíbrio total. E em nossas próprias vidas como cristãos, a chave é o equilíbrio.

Em Romanos 12, vemos que Deus concedeu os dons do Espírito Santo à vida dos crentes para o bem de toda a Igreja. Por causa do abuso de alguns, muitos têm recuado a partir desses presentes maravilhosos que Deus nos tem dado. Alguns foram longe demais em uma direção com estes dons concedidos, e assim pensam: "Eu não tenho nada a ver com esse tipo de atividade."

No entanto, você pode ir longe demais na outra direção. Os dons do Espírito são reais e estão disponíveis para os cristãos hoje. Não só devemos usá-los em nossas vidas, mas também devemos buscar o dom ou os dons que Ele colocou em nossas vidas.

terça-feira, 29 de abril de 2014

Andaime Firme E Equilibrado


"Elevo os olhos para os montes..." (Salmos 121:1).


Um jovem estava trabalhando em uma construção e, pela
primeira vez, precisou estar sobre um andaime em um local
bem alto. Depois de certo tempo ali, começou a ficar com
medo e, mesmo com toda a proteção que tinha, olhou para
baixo e não conseguia mais se manter equilibrado. Um outro
trabalhador, mais velho e mais experiente, vendo a situação
por que passava o jovem, gritou-lhe: "Olhe para o alto...
olhe para o alto". Foi o que o jovem fez e, em poucos
instantes, estava novamente firme e equilibrado.


Essa experiência serve para todos nós que vivemos nesse
mundo. Quando deixamos de olhar para cima e nos preocupamos
com as demais coisas, perdemos o equilíbrio emocional, a
firmeza espiritual e a coragem de seguir em frente.
Concluímos que o andaime de nossas vidas não é capaz de nos
segurar e que logo cairemos.


Olhando para cima temos a certeza de que Deus cuida de nós,
que não permite que percamos o equilíbrio de nossas emoções,
que segura em nossas mãos ao primeiro sinal de perigo, que
fortalece a nossa fé e a convicção de que a vitória é mais
que certa.


Olhando para baixo perdemos a noção de direção e do local
para onde estamos caminhando, ficamos sujeitos a tropeços e
frustrações, a desanimar e perder a vontade de chegar mais
longe. Ao olhar para cima, o Senhor nos dirige, torna-nos
mais fortes, confiantes, decididos e esperançosos. Cristo
está ali, sorrindo para nós, estimulando-nos a nada temer, a
crer que tudo é possível ao que nEle confia.


Muitos passam a vida olhando para baixo, lamentando-se e
murmurando por tudo. Não devemos fazer isso! Devemos olhar
para o alto e, com a ajuda de Deus, seguir em frente, com fé
e determinação. Vamos chegar lá... vamos vencer... vamos
conquistar nossos sonhos e a nossa felicidade.


Você tem olhado para o alto? Seu andaime está firme e
equilibrado? 
Blog do Para Refletir. Faça uma Visita!
Blogger
Paulo Roberto Barbosa. Um cego na Internet! Visite minha homepage:
Escuro Iluminado

Assine a Lista de Reflexões
Caso você deseje receber as reflexões diárias diretamente em sua mailbox, preencha o campo abaixo com seu email e clique o botão enviar.
Clique aqui para assinar 

[Estudos Bíblicos] Tirando o Obsoleto

[Estudos Bíblicos] Tirando o Obsoleto

Link to Estudos Bíblicos

Tirando o Obsoleto

Posted: 28 Apr 2014 05:25 PM PDT

Tirando o ObsoletoCheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa, Hebreus 10:22 […] [continue lendo]

Compartilhe: no Facebook - no Twitter - Comente! - Dúvida? Faça sua pergunta

Inabaláveis

Posted: 28 Apr 2014 09:44 AM PDT

InabaláveisNão foi sobre os nossos ombros que Deus colocou a responsabilidade de produzir a nossa salvação, de modo que alcancemos a vida eterna. De tão acostumados […] [continue lendo]

Compartilhe: no Facebook - no Twitter - Comente! - Dúvida? Faça sua pergunta

Aprendendo a alcançar objetivos com Zaqueu

Posted: 28 Apr 2014 09:24 AM PDT

Aprendendo a alcançar objetivos com ZaqueuEm Lucas 19, podemos conhecer a história de Zaqueu,um homem muito rico que ocupava uma posição de liderança bastante cobiçada, era chefe dos publicanos, ou […] [continue lendo]

Compartilhe: no Facebook - no Twitter - Comente! - Dúvida? Faça sua pergunta

De Todo o Coração



"Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração." (Jeremias 29:13)

É fascinante observar como Jesus lidava com pessoas diferentes. Ele nunca tratou dois indivíduos exatamente da mesma maneira. Ele olhava além da aparência exterior e via seus corações.

Quando uma pessoa estava realmente procurando e um milagre era apropriado, Jesus o fazia. Existem inúmeros milagres que Ele fez para doentes e pessoas que estavam Lhe procurando. Foi o caso do cego Bartimeu, da mulher cujo filho estava doente, da mulher que gastou tudo com médicos e precisava de um milagre e dos dez leprosos que vieram a Ele, procurando o Seu toque.

Mas quando as pessoas vinham a Jesus com motivos errados, a história era diferente. Na verdade, em algumas ocasiões, Ele nem sequer se revelava a eles. Por exemplo, João 2:23 nos diz que quando Jesus estava em Jerusalém para a Páscoa, muitas pessoas acreditaram nele quando viram os sinais que Ele fez. Mas isso o levou a dizer que "Ele não se confiava a eles, pois conhecia a todos. Não precisava que ninguém Lhe desse testemunho a respeito do homem, pois Ele bem sabia o que havia no homem." (João 2:24-25)

Ali estavam pessoas que acreditaram depois que viram os milagres de Jesus, mas Ele não quis comprometer-se com eles. Isso realmente parece estranho, não é?

Mas vamos considerar o que a palavra "comprometer-se" significa. Comprometer-se significa: "confiar alguma coisa a alguém." Jesus não se confiava a essas pessoas com a Sua verdade. Se fossem verdadeiras buscadoras, Jesus teria se revelado a elas.

Essas pessoas que viram seus milagres não O estavam buscando de todo o coração. Estavam apenas admiradas com o milagre que Jesus tinha feito naquele dia em particular. Portanto, Jesus não iria comprometer-se com elas.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

O Coração -- Presente Valioso


"Firme está o meu coração, ó Deus! Cantarei e entoarei
louvores de toda a minha alma" (Salmos 108:1).


Um pequeno menino, de uma família muito pobre, costumava ir
à igreja com uma vizinha, mãe de um amiguinho seu. Apesar de
ser apenas uma criança, gostava muito das músicas, da Escola
Bíblica e até das reuniões próprias dos adultos. Só uma
coisa o incomodava: na hora das ofertas, ele nada tinha para
dar. Um dia ele teve uma idéia -- desenhou um coração em uma
folha de papel, escreveu dentro o seu nome e, quando chegou
a hora das ofertas, depositou no local apropriado o seu
coração desenhado, dizendo baixinho: "Jesus, eu estou dando
para você o meu coração. É o que tenho e Lhe dou com muita
alegria".


Que doação maravilhosa! Aquele menino, com certeza, deu a
melhor oferta daquela manhã. Deu o que tinha de mais
precioso, de mais valioso, de mais bonito em sua jovem vida.
A felicidade de todos, naquela igreja, seria maior se dessem
o que o menino deu para o Senhor: o seu coração.


Há muitas coisas que podemos dar ao Senhor.Um pouco do nosso
dinheiro, para a obra de evangelização. Um pouco de nosso
tempo, para as programações da igreja. Um pouco de nosso
talento, para os diversos serviços ministrados nas reuniões.
Um pouco do nosso amor, para ajudar a tantos necessitados de
uma atenção maior em suas vidas. Tudo isso é muito
importante e glorifica o nome do Senhor Jesus. Mas, o que
temos de mais importante para dar ao Senhor é o nosso
coração. Quando damos as outras coisas, estamos dando apenas
um pouco do que temos, mas, quando damos o coração, damos
"tudo" o que temos.


Quando oferecemos o coração para Jesus, ele se mantém firme
e feliz e os nossos lábios entoam cânticos de louvor e
gratidão. Nossa vida se mostra repleta de amor e fé e Cristo
é glorificado em nossas atitudes.


Aquele menino ofereceu o coração para o Senhor. Eu também já
ofereci o meu. E você, já fez o mesmo? 


Blog do Para Refletir. Faça uma Visita!
Blogger
Paulo Roberto Barbosa. Um cego na Internet! Visite minha homepage:
Escuro Iluminado

Assine a Lista de Reflexões
Caso você deseje receber as reflexões diárias diretamente em sua mailbox, preencha o campo abaixo com seu email e clique o botão enviar.
Clique aqui para assinar 

O Cristo Crucificado



"Os judeus pedem sinais miraculosos, e os gregos procuram sabedoria; nós, porém, pregamos a Cristo crucificado, o qual, de fato, é escândalo para os judeus e loucura para os gentios mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus." (1 Coríntios 1:22-24)

Talvez sintamos até um pouco de inveja dos cristãos do primeiro século, que pareciam ter milagres como parte diária de suas vidas. Sim, certamente milagres dramáticos ocorreram durante aquele tempo.

Lemos grandes coisas que aconteceram naquela época, como o homem aleijado na Porta Formosa no templo em Jerusalém, o qual começou a andar (Atos 3). Pedro foi libertado da prisão por um anjo. Uma mulher foi ressuscitada dentre os mortos. Podemos olhar carinhosamente para aquele tempo e dizer: "Aqueles é que eram bons tempos".

Porém, para sermos mais realistas é necessário atentar para o fato de que o livro de Atos é um registro do que Deus fez ao longo de um período aproximado de 30 anos. À medida que o lemos, parece-nos que os milagres aconteciam a cada 10 minutos. Mas, na verdade trata-se de um registro de milagres ocorridos durante um longo período de tempo.

Alguns de nós cristãos, podemos pensar que, se pudéssemos realizar um sinal ou milagre para algum incrédulo mais achegado, eles iriam acreditar. Mas, eis aqui o sinal que eles precisam: ​​o que Jesus realizou na cruz.

É a palavra da cruz que vai fazer a diferença. "Nós pregamos a Cristo crucificado", disse Paulo. Essa é a nossa mensagem. Isso é o que temos a dizer.

Paulo disse: "Pois decidi nada saber entre vocês, a não ser Jesus Cristo, e este, crucificado." (1 Coríntios 2:2)

Apesar de acreditar em milagres e esperar poder vê-los em maior número ao longo da minha vida, uma coisa nunca vai mudar: a mensagem simples que devemos anunciar.

domingo, 27 de abril de 2014

Fim De Tudo Ou Apenas O Começo?


"Levanta-te, resplandece, porque é chegada a tua luz, e é
nascida sobre ti a glória do Senhor" (Isaías 60:1).


"Muitas vezes, um acontecimento que nos parece ser a pior
coisa de nossa vida, se transforma no primeiro degrau para
nossas grandes conquistas e vitórias. Chegamos a pensar que
é o fim de nossas carreiras, mas, na realidade, é o começo
de uma nova vida, plena de êxito e felicidade. Assim
aconteceu com um jovem que aos 20 anos se tornou gerente
financeiro de uma grande indústria e pouco tempo
depois,Editor de uma revista missionária e membro atuante de
uma Associação de Missões a nível nacional. Foi convidado
para um curso de pós-graduação no exterior e, quando
retornou, cheio de planos e sonhos, ficou completamente cego
devido a um erro médico. Ele pensou que sua vida havia
chegado ao fim. Estava apenas começando..."


Talvez você esteja experimentando a mesma situação. Crê que
tudo deu errado em sua vida, que o fracasso é definitivo,
que o túnel não tem uma luz em seu final, que não adianta
seguir em frente porque não chegará a lugar algum. O
desânimo foi a única coisa que lhe restou.


Quero lhe dizer que seus pensamentos não estão corretos.
Você não pode desistir jamais. É exatamente quando a derrota
parece ter chegado para ficar que o Senhor a faz ir embora
para sempre. Se as forças acabaram, Ele pega você no colo,
faz um carinho em sua cabeça, sussurra em seu ouvido: "Não
tenha medo, Eu estou aqui. Vou ajudar você. Confie em Mim".


Não estou escrevendo por escrever. Sou o jovem da
ilustração. Deus me abraçou e me conduziu por caminhos de
vitórias e alegrias. A perda da visão foi o motivo de eu
começar esse trabalho na net. O Para Refletir vai completar
dezoito anos e milhões de pessoas têm recebido a Palavra de
Deus em todo o mundo. Pensei, naquela época, que meu chamado
missionário havia chegado ao fim, porém, Deus me mostrou que,
mesmo cego, poderia alcançar todos os confins da terra.
Hoje temos leitores em todos os continentes do mundo e Deus
tem feito grandes maravilhas na vida e nos lares que esse
serviço alcança. Glórias ao Senhor!


Você se deixou cair pelo desânimo? Levante-se... tudo está
apenas começando. 


Blog do Para Refletir. Faça uma Visita!
Blogger
Paulo Roberto Barbosa. Um cego na Internet! Visite minha homepage:
Escuro Iluminado

Assine a Lista de Reflexões
Caso você deseje receber as reflexões diárias diretamente em sua mailbox, preencha o campo abaixo com seu email e clique o botão enviar.
Clique aqui para assinar 

sábado, 26 de abril de 2014

[Estudos Bíblicos] Oração – O Trono da Graça

[Estudos Bíblicos] Oração – O Trono da Graça

Link to Estudos Bíblicos

Oração – O Trono da Graça

Posted: 25 Apr 2014 07:10 AM PDT

Oração – O Trono da GraçaSanto, Santo, Santo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, o céu e a terra estão cheios da Sua glória! Bênção e honra e glória e poder […] [continue lendo]

Compartilhe: no Facebook - no Twitter - Comente! - Dúvida? Faça sua pergunta

Como o mundo pôde ser criado em seis dias?


A Bíblia diz que Deus criou o mundo em seis dias (Êx 20.11). Mas a ciência moderna declara que isso levou bilhões de anos. As duas posições não podem ser verdadeiras. Há basicamente duas maneiras para superar esta dificuldade.

Primeiro, alguns eruditos argumentam que a ciência moderna não está certa. Insistem em dizer que o universo tem apenas alguns milhares de anos e que Deus criou todas as coisas em seis dias literais (6 dias de 24 horas, ou seja, 144 horas). Para sustentar esta posição, eles apresentam os seguintes pontos:

1. Cada dia do Gênesis tem "tarde e manhã" (cf. Gn 1:5,8,19,23,31), o que é próprio do dia de 24 horas na Bíblia.

2. Os dias foram numerados (primeiro dia, segundo dia, terceiro dia etc), uma característica peculiar dos dias de 24 horas na Bíblia.

3. Êxodo 20:11 compara os seis dias da criação com os seis dias de uma semana (literal) de trabalho de 144 horas.

4. Há evidência científica que suporta uma idade jovem (de milhares de anos) para a Terra.

5. Não haveria como a vida sobreviver milhões de anos do dia três (1; 11) ao dia quatro (1:14) sem lua.

Outros eruditos da Bíblia afirmam que o universo pode ter bilhões de anos, sem que com isso se esteja sacrificando um entendimento literal de Gênesis 1 e 2. Argumentam que:

1. Os dias de Gênesis 1 podem ter tido um período de tempo antes da contagem dos dias (antes de Gênesis 1:3), ou um intervalo de tempo entre os dias. Há intervalos em outras partes da Bíblia (como em Mateus 1:8, onde três gerações são omitidas, em comparação com 1 Crônicas 3:11-14).

2. A mesma palavra hebraica para "dia" (yom) é empregada em Gênesis 1 e 2 como um período de tempo maior que 24 horas. Por exemplo, Gênesis 2:4 faz uso desta palavra no sentido do período total da criação de seis dias.

3. Às vezes a Bíblia emprega a palavra "dia" para longos períodos de tempo: "Um dia é como mil anos"(2 Pe 3:8; cf. SI 90:4).

4. Há alguns indícios em Gênesis 1 e 2 de que os dias poderiam ser períodos maiores que 24 horas:
a)   No terceiro "dia" as árvores cresceram da semente à maturidade, e produziram semente segundo a sua espécie (1:11-12). Esse processo normalmente leva meses ou anos.
b)   No sexto "dia" Adão foi criado, foi dormir, deu nome a todos os (milhares de) animais, procurou por companhia, foi dormir, e Eva foi criada de sua costela. Tudo isso parece exigir um tempo bem maior que 24 horas.
c)   A Bíblia diz que Deus "descansou" no sétimo dia (2:2), e que ele ainda está no seu descanso da criação (Hb 4:4). Assim, o sétimo dia já tem tido uma duração de milhares de anos. Dessa forma, os outros dias bem que poderiam ter tido milhares de anos também.

5. Êxodo 20:11 pode estar fazendo simplesmente uma comparação de unidade por unidade dos dias de Gênesis com uma semana de trabalho (de 144 horas), e não uma comparação minuto a minuto.

Conclusão: 
Não se demonstra contradição alguma em fatos, entre Gênesis 1 e a ciência. Há apenas um conflito de interpretações. Ou os cientistas de hoje em sua maioria estão errados ao insistirem que o mundo tem bilhões de anos, ou então alguns dos intérpretes da Bíblia estão equivocados ao insistirem em dizer que foram apenas 144 horas que durou a criação, ocorrida há alguns milhares de anos antes de Cristo, sem intervalos de tempo correspondentes a milhões de anos.

Mas, em qualquer dos casos, não se trata de uma questão de inspiração das Escrituras, mas de sua interpretação (em relação a dados científicos).

Extraído do livro MANUAL POPULAR de Dúvidas, Enigmas e "Contradições" da Bíblia. Norman Geisler – Thomas Howe.

Por Litrazini


Graça e Paz
-->

CONFIANTES DURANTE O SILÊNCIO DE DEUS



by salmo37
O Senhor deseja que tenhamos uma fé corajosa que se alegra em esperar a hora certa Dele. Há situações que vivenciamos em que parece que o Senhor não liga para nossa ansiedade e nem está ciente de nossas tormentas. Há períodos que Deus não diz coisa alguma ou aparenta ignorar nossos pedidos. A verdadeira fé é a confiança durante o silêncio divino.
Não importa quão bonita e brilhante seja nossa imaginação acerca do mundo e da vida que esperamos, Deus tem algo melhor reservado para nós. Porém, algumas vezes valorizamos tanto nossos sonhos que sequer conseguimos pensar em algo superior.
Não se esqueça de que nossa visâo e nosso conhecimento são limitados. Devemos ver as coisas do ângulo que Deus as enxerga a fim de observarmos os fatos de modo mais amplo e completo. Em Isaias está escrito:
"Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti que trabalha para aquele que Nele espera." (64:4)
Paulo citou este mesmo versículo de forma um pouco diferente para os cristãos de Corinto:
"Mas, como está escrito: as coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que O amam." 1Co 2:9
A extensão e a beleza do que Deus planejou para nós estão além de nossa compreensão. Por isso á fé é tão importante. Ela nos ensina a esperar pelo melhor de Deus. Se formos fiéis , o Senhor revelará algo superior na Sua hora e da Sua maneira.
Myles Munroe, em "RE-DESCOBRINDO A FÉ" 

Moralismo não é o evangelho


…Mas muitos pensam que é

Uma das afirmações mais espantosas do apóstolo Paulo é sua acusação aos gálatas por terem abandonado o evangelho: "Admira-me que estejais passando tão depressa daquele que vos chamou na graça de Cristo para outro evangelho". Como foi afirmado tão enfaticamente, os gálatas haviam falhado no teste crucial de discernir o evangelho autêntico de suas imitações.

Suas palavras não poderiam ser mais claras: "Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. Assim, como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema." (Gálatas 1.8-9)

Esse alerta do apóstolo Paulo, expressado por meio de choque e pesar, é direcionado não apenas à igreja na Galácia, mas a toda congregação de qualquer era. Em nossos dias – e em nossas igrejas – precisamos desesperadamente ouvir e atentar a esse alerta. Em nossos dias, enfrentamos falsos evangelhos não menos subversivos e sedutores que aqueles encontrados e abraçados pelos gálatas.

Em nosso contexto, um dos falsos evangelhos mais sedutores é o moralismo. Esse falso evangelho pode tomar muitas formas e pode emergir de vários impulsos culturais e políticos. Ainda assim, a estrutura básica do moralismo se resume a isso – a crença de que o Evangelho pode ser resumido à melhorias de comportamento.

Infelizmente, esse falso evangelho é particularmente atrativo àqueles que acreditam serem evangélicos motivados por impulsos bíblicos. Crentes além da conta, e suas igrejas, sucumbem à logica do moralismo e reduzem o Evangelho à mensagem do desenvolvimento moral. Em outras palavras, nós comunicamos aos perdidos a mensagem de que o que Deus deseja para eles e requer deles é que eles vivam suas vidas corretamente, na linha.

Em certo sentido, nós nascemos para sermos moralistas. Criados à imagem de Deus, nos foi dada a capacidade moral da consciência. Desde nossos primeiros dias, nossa consciência já manifesta nosso conhecimento de culpa, de falhas e de maus comportamentos. Em outras palavras, nossa consciência acusa nossa pecaminosidade.

Adicione a isso o fato de que o processo de educação infantil tende a inculcar o moralismo desde cedo. Nós rapidamente aprendemos que nossos pais estão preocupados com nosso comportamento. Crianças bem comportadas são recompensadas com a aprovação dos pais, enquanto a malcriação traz seus castigos. Essa mensagem é reforçada por outras autoridades sobre os mais novos e permeia toda a cultura em geral.

Escrevendo sobre sua própria infância no interior rural da Georgia, o romancista Ferrol Sams descreveu a tradição enraizada de ser "bem educado". Conforme ele explicou, a criança "bem educada" agrada seus pais e outros adultos ao aderirem a certas convenções morais e à etiqueta social. Um jovem "bem educado" se torna um adulto que obedece a lei, respeita seu próximo, se compromete, pelo menos verbalmente, às expectativas religiosas e se mantém longe do escândalo. O argumento é claro – isso é o que os pais esperam, a cultura afirma e muitas igrejas celebram. Mas nossas comunidades estão cheias de pessoas "bem educadas" que estão destinadas ao inferno.

A sedução do moralismo é a essência de seu poder. Somos facilmente levados a acreditar que realmente podemos conquistar toda a aprovação que precisamos por meio de nosso comportamento. É claro, para fazer parte dessa sedução, precisamos negociar um código moral que define o comportamento aceitável com inúmeras brechas. A maioria dos moralistas não diria que não tem pecado, mas sim que estão longe do escândalo. Isso é considerado suficiente.

Moralistas podem ser categorizados tanto como liberais quanto como conservadores. Em cada caso, um conjunto específico de obrigações morais constrói a expectativa moral. Generalizando, normalmente é verdade que os liberais focam em um conjunto de expectativas morais relacionadas à ética social, enquanto os conservadores tendem a focar na ética pessoal. A essência do moralismo é aparente em ambos – a crença de que podemos alcançar justiça por meio de bom comportamento.

A tentação teológica do moralismo é tal que muitos cristãos e igrejas tem dificuldade de resistir. O perigo é de que a igreja comunique tanto direta quanto indiretamente que o que Deus espera da humanidade caída é desenvolvimento moral. Ao fazê-lo, a igreja subverte o Evangelho e comunica um falso evangelho para o mundo caído.

A igreja de Cristo não tem outra opção além de pregar a Palavra de Deus, e a Bíblia revela fielmente a lei de Deus e um código moral abrangente. Os cristãos entendem que Deus revelou a si mesmo por meio da criação de tal forma que deu à humanidade o poder restritivo da lei. Mais ainda, ele nos comunicou por meio de sua palavra mandamentos específicos e instruções morais abrangentes. A igreja do Senhor Jesus Cristo que é fiel precisa batalhar pela retidão desses mandamentos e a graça que nos foi dada de conhecer o que é bom e o que é mau. Também temos a responsabilidade de testemunhar esse conhecido do bem e do mal aos nossos próximos. O poder restritivo da lei é essencial à comunidade e à civilização humana.

Assim como pais corretamente ensinam seus filhos a obedecerem instruções morais, a igreja tem a responsabilidade de ensinar aos seus os mandamentos morais de Deus e de testemunhar à sociedade ao redor o que Deus declarou ser justo e correto para suas criaturas humanas.

Mas esses impulsos, por mais corretos e necessários que sejam, não são o Evangelho. De fato, um dos evangelhos falsos mais insidiosos é o moralismo que promete o favor de Deus e a satisfação de sua justiça aos pecadores se eles simplesmente se comportarem bem e se comprometerem com a melhoria moral.

O impulso moralista na igreja reduz a Bíblia a um livro de regras para o comportamento humano e substitui o Evangelho de Jesus cristo por instrução moral. Púlpitos evangélicos além da conta são a fonte de mensagens moralistas, ao invés da pregação do Evangelho.

O corretivo para o moralismo vem diretamente do apóstolo Paulo quando ele insiste que "o homem não é justificado por obras da lei, e sim mediante a fé em Cristo Jesus". A salvação vem para aqueles que são "justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois, por obras da lei, ninguém será justificado" (Gálatas 2.16).

Nós pecamos contra Cristo e distorcemos o Evangelho quando sugerimos aos pecadores que o que Deus demanda deles é o desenvolvimento moral de acordo com a Leo. O moralismo faz sentido para pecadores, pois é uma expansão daquilo que aprendemos desde nossos primeiros passos. Mas o moralismo não é o Evangelho, e ele não salva.

O único evangelho que salva é o Evangelho de Cristo. Como Paulo lembrou os gálatas, "vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos." (Gálatas 4.4-5)

Nós somos justificados somente pela fé, salvos somente pela graça e redimidos de nossos pecadossomente por Cristo. O moralismo produz pecadores que são mais bem comportados (em potencial). O Evangelho de Cristo transforma pecadores em filhos adotivos de Deus.

A igreja nunca deve desviar, acomodar, revisar ou esconder a lei de Deus. De fato, é a lei que nos mostra nosso pecado e deixa clara a nossa inadequação e nossa total falta de justiça. A Lei não pode dar vida mas, como Paulo insiste, "nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo, a fim de que fôssemos justificados por fé." (Gálatas 3.24).

O perigo mortal do moralismo tem sido uma tentação constante à igreja e um substituto muito conveniente para o Evangelho. Claramente, milhões de nossos próximos creem que o moralismo é a nossa mensagem. Nada menos que a pregação audaciosa do Evangelho será o suficiente para corrigir essa impressão e levar pecadores à salvação em Cristo.

O inferno será amplamente povoado por aqueles "bem educados". Os cidadãos do céu serão aqueles que, pela pura graça e misericórdia de Deus, estarão lá apenas pela justiça imputada de Jesus Cristo.

Moralismo não é o evangelho.

POR ALBERT MOHLER JR./ Traduzido por Filipe Schulz | Reforma21.org

Por Litrazini


Graça e Paz
-->

sexta-feira, 25 de abril de 2014

[Estudos Bíblicos] Foi Sexta Mesmo?

[Estudos Bíblicos] Foi Sexta Mesmo?

Link to Estudos Bíblicos

Foi Sexta Mesmo?

Posted: 24 Apr 2014 08:10 AM PDT

Foi Sexta Mesmo?Durante a páscoa, em muitos lugares do Brasil, especialmente nas regiões mais humildes do Norte e Nordeste, é difícil simplesmente encontrar carne para comer. Parece […] [continue lendo]

Compartilhe: no Facebook - no Twitter - Comente! - Dúvida? Faça sua pergunta

O Chamado de Deus na Nossa Vida

Posted: 24 Apr 2014 07:40 AM PDT

O Chamado de Deus na Nossa VidaQuando Deus nos chama ele muda totalmente nosso pensamento, nossas reações em relação as coisas divinas e os dons espirituais, nos leva a enxergar vários […] [continue lendo]

Compartilhe: no Facebook - no Twitter - Comente! - Dúvida? Faça sua pergunta

Reflexões em 1 Coríntios - Divórcio

 







 Pastor Sérgio Fernandes

1 Coríntios 7:10 - ¶ Todavia, aos casados mando, não eu mas o Senhor, que a mulher não se aparte do marido.

O divórcio não faz parte do projeto de Deus para a humanidade, muito embora ele possa ocorrer por situações específicas que a família pode vir a enfrentar. O plano original, no caso de um casal ser cristão, é o de não ocorrer a separação (vv.10,11). Os prejuízos emocionais e espirituais da dissolução de um lar são permanentes e incalculáveis. Portanto, a família deve lutar com todas as suas forças para que o lar não venha desmoronar.

Quando a situação se torna insustentável e a separação vem a ocorrer, o conselho de Paulo é o que segue: "se porém, se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido". Deve ser o nosso ideal batalharmos pela nossa família e nos esforçarmos por ela. Se um casal cristão vem a se separar, o mesmo deve evitar contrair um novo matrimônio porque pode estar no plano divino que ocorra a reconciliação.

Que possamos lutar pelas nossas famílias e fechar qualquer brecha 
 




Peixe medroso

 NOSSO ANDAR DIÁRIO/NOSSO PÃO DIÁRIO
Peixe medroso
Leitura: João 1:6-14
E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, […] e vimos a sua glória… —João 1:14
Descobri que gerenciar um aquário de água salgada não é uma tarefa fácil. Eu precisava operar um laboratório químico portátil para monitorar os níveis de nitrato e o teor de amônia. Eu bombeava vitaminas, antibióticos, medicamentos à base de sulfa e enzimas, além de filtrar água através de fibras de vidro e carvão.
É de se pensar que meus peixes ficariam gratos. Nem tanto. Quando minha sombra se aproximava do aquário para alimentá-los, eles mergulhavam para esconder-se na concha mais próxima. Eu era grande demais para eles; minhas ações incompreensíveis. Eles não sabiam que minhas atitudes eram misericordiosas. Mudar essa percepção exigiria uma forma de encarnação. Eu teria que me tornar um peixe e "falar" a eles em uma linguagem que eles compreendessem; o que era impossível para mim.
De acordo com as Escrituras, Deus, o Criador do universo, fez algo que parece impossível. Ele veio à terra em forma humana como um bebê. "…o mundo foi feito por intermédio dele…" disse João, "…mas o mundo não o conheceu" (João 1:10). Então Deus, que criou a matéria, se tornou homem, como o autor de um peça tornando-se personagem em Sua própria peça. Deus escreveu uma história, utilizando personagens verdadeiros, nas páginas da verdadeira história. "E o Verbo se fez carne e habitou entre nós …" (v.14).
—PY
Deus ingressou na história humana, por meio de Jesus, para nos oferecer o dom da vida eterna.


Caminhando com Cautela



"Muitos me dirão naquele dia: 'Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?' Então eu lhes direi claramente: 'Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam o mal!'" (Mateus 7:22-23)

Hoje temos pessoas que buscam experiências só por buscar, querendo ter o que acham ser um toque de Deus. Temos profetas autoproclamados, que dão suas mensagens e proclamam suas visões, mas que raramente são responsabilizados pelos resultados.

Temos que ter cuidado. Por um lado, não queremos limitar Deus por incredulidade, porque queremos que Ele faça seus milagres em nossas vidas. Por outro lado, não podemos simplesmente acreditar em tudo nem em todos.

Eu acredito em milagres e acredito no sobrenatural. Creio que Deus pode curar. Mas não podemos viver buscando experiências desse tipo a qualquer custo. Tais experiências devem ser sempre subservientes à verdade. Devem ser sempre ordenadas sob o arcabouço daquilo que é certo.

Não podemos dizer que algo é verdade, só porque já o experimentamos. Pelo contrário: devemos dizer que alguma coisa é verdade, porque ela é encontrada nas Escrituras e atesta a nossa experiência.

No livro de Atos, lemos que milagres nunca eram anunciados antes do tempo. Quando Deus usou Pedro para curar o homem na porta Formosa, não está escrito que isso foi anunciado de antemão: "Esteja na porta Formosa hoje. Milagres, Sinais e Maravilhas. Não perca !"

Eles nunca anunciaram milagres com antecedência, porque seu foco não eram os milagres. Seu foco era a proclamação da Palavra de Deus. Eles deixaram os milagres por conta do Espírito Santo.

Devemos ter um cuidado especial nesses últimos dias, porque nem todos os milagres vêm de Deus. Lembre-se: Satanás é um grande imitador.

quinta-feira, 24 de abril de 2014

CADA NOITE TEM SEU DIA SEGUINTE



by salmo37
"Porque Ele bem sabia o que estava para fazer. " João 6:6
Eis o segredo da fé e da paz do cristão. Sejam quais forem as circunstâncias em que se encontra aquele que confia no Salvador e lhe obedece, Jesus sabe de antemão o que fará por ele. Dificuldades ou sofrimentos são necessários para seu crescimento espiritual. Sua vida não pode ser diferente da vida do Mestre.
Cada noite tem seu dia seguinte. Quando atravessamos a escuridão, somos for- talecidos pela certeza de que Jesus já sabe como fará brilhar a luz. Em nossas inde- cisões, quando não sabemos o que fazer nem como agir, é bom conhecer o repouso da fé e lembrar que Jesus sabe como intervir. Ele tem seu plano traçado para nós e para os nossos; e, ainda que permita essas circunstâncias para nos experimentar, mede as dificuldades e, a seu tempo, nos fará sair vitoriosos.
Para nós, a prova amarga e interior está cheia de mistérios e dores que algumas vezes nos esmagam, mas devemos saber ver a prova de hoje como quem a contem- plará amanhã. Quando Deus nos pede atos de fé e obediência sem apoio visível, devemos andar e obedecer como fez Abraão, que partiu sem saber para onde ia. E, mais tarde, veremos que o Senhor já nos havia providenciado a saída do túnel, fazendo-nos entrar em uma obra previamente preparada, para nela prosseguirmos com toda a facilidade.
Sim, ele sabe o que fará! Assim como aos primeiros discípulos, Jesus nos pede para entregarmos aquilo que possuímos, mesmo sendo apenas cinco pães e dois peixes, e que façamos o que nos diz. Ele é o primeiro, e será sempre o primeiro a saber como nos livrar da dificuldade.
Quando Jesus nos chamou, em toda a nossa fraqueza e ignorância, sabia de antemão o que ia fazer! "Quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida" (Jo 8:12).
Hugh E. Alexander, em "ORVALHO DA MANHÃ"